Atrás de ombros

E onde foi que nos perdemos nessa cidade escura, repleta de espaços e escassa de nós. Por onde correm teus olhos assustados com o mundo, guardando o silêncio de nossas conversas. As paradas em que esperávamos o trem. As voltas daquelas viagens nunca tidas. A estação que abraçava os apesares de nossas tamanhas divergências. Sinuosos encontros. Quando nos bebíamos pelos olhos. E pelo mundo um amontoado de lixos de ódios cuspidos de nossas covardias. Tão tolas. Tão tolos ficamos, de ombros calados. De nós acossados. De sós revestidos. Onde.

Advertisements

~ by nossosombros on April 9, 2010.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: